fbpx

Qual a temperatura da sua comunicação Dr?

qual a temperatura da sua comunicação

Resumo do artigo:

Compartilhe este artigo

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Ouça este artigo em formato de podcast:

Afinal, o que é a temperatura da comunicação, Thiago?

Nada mais é que a forma como eu encontrei para provar que você está ou não está no caminho certo, dentro das redes sociais, é algo muito simples e extremamente efetivo que ajudará você entender o que precisa ser feito ou o que precisa ser melhorado.

Vamos lá!

A temperatura da comunicação é dividida em três partes, três cenários, três situações que você com certeza já viveu ou deve viver diariamente.

Antes de começarmos, preciso que você imagine que está indo para um local no 22o andar de um prédio, você acabou de estacionar seu carro no subsolo 1 e entrou no elevador.

O elevador vai parar no andar térreo e é aí que começamos a entender sobre a temperatura da comunicação.

Situação 1: O completo estranho

O elevador faz uma parada no térreo e entra uma pessoa estranha, que você nunca viu. A reação mais natural que existe é, aquele cumprimento com os olhos, meio que um oi e em seguida, você pega seu celular do bolso, abre alguma rede social e fica ali acompanhando o que há de mais novo.

Neste cenário, a falta de proximidade é algo que faz com que ambos fiquem ligeiramente desconfortáveis e acabem recorrendo a algo mais familiar, o celular.

Situação 2: O vizinho conhecido

O elevador também faz uma parada no térreo e entra um vizinho de prédio, alguém que você já viu algumas vezes, trocou algumas palavras mas, não é considerado seu amigo, não é alguém próximo.

Qual a conclusão? Você pode até sacar o celular do bolso novamente, mas antes, há um quebra gelo, uma frase de bom dia e aquele famoso papo de elevador.

  • Nossa está frio hoje hein? Será que vai chover?

Aquela conversa simples, que não tem profundidade mas, que é algo que você faz com alguém que tenha o mínimo de confiança.

Situação 3: O melhor amigo

O elevador para novamente no térreo e desta vez, entra seu melhor amigo. 

Vocês se olham, se comprimentam com um aperto de mão ou um abraço, logo engatam uma conversa mais profunda e intimista.

Um pergunta da família, o outro comenta da viagem e assim o papo vai até que o elevador chegue no seu destino, o 22o andar deste prédio.

Conclusão:

Vamos entender na prática.

Imagine que o elevador é seu Instagram, a pessoa que entrou no elevador no andar térreo é seu seguidor e paciente em potencial e o desenrolar da situação é fruto da sua comunicação.

Quando você não se comunica, não aparece, não fala a língua do seu paciente, automaticamente sua relação com essa pessoa, ao chegar no seu consultório, será mais fria e menos intimista.

Em contrapartida, se você é um profissional que se dedica a falar a língua do seu paciente, aparece, grava vídeos, faz lives, interage com quem interagiu com você, a relação que seu paciente terá com você, no momento que entrar na sala de atendimento, será de amigo.

Vivemos em uma era que é necessário estar cada vez mais presente na vida dos pacientes em potencial, mesmo que seja através de um story ou um vídeo.

O que importa não é só estar nas mídias, isso é algo que nem deveríamos discutir mais nos dias atuais.

O foco deve ser como você vai garantir que sua presença seja algo que soma para a vida das pessoas.

As redes sociais, em especial os stories do Instagram, permitem que você possa mostrar quem é você por trás do jaleco (inclusive este é tema de um episódio deste podcast).

Não se prenda a publicações com layouts fixos, imagens de bancos de imagens e afins, isso não vai agregar tanto quanto você aparecer, falar, passar sua mensagem, do seu jeito, compartilhando seu conhecimento através do seu conteúdo.

Quanto mais seu paciente em potencial consegue conhecer você, se identificar com o que você fala, acompanhar seu trabalho e aprender com você, mais confiança ele terá e isso é a base para ser autoridade. Além de ser a base para conversão de seguidor em paciente.

Ou seja, invista em uma comunicação mais acalorada e que seja de valor para sua audiência, vamos esquentar essa comunicação ai dr.

A grande verdade é que não há receita pronta de como você deve fazer, cada um precisa encontrar a forma que se sente mais à vontade.

Alguns falam mais sobre vida pessoal, outros menos e está tudo bem. O importante é que você olhe para suas redes como fonte de captação de pacientes e que isso passe a ser parte da sua rotina.

Você precisa priorizar isso, querer que o marketing digital faça parte da sua rotina. Pois somente assim você conseguirá ter resultados reais.

Não é fácil, não é rápido mas é fundamental.

Se você olhar para os principais nomes da sua especialidade e que se destacam nas redes sociais, perceberá que eles quebram essa barreira e estão cada vez mais aprofundando o nível de intimidade com seus seguidores e pacientes.

Cabe a você decidir quando começar e quanto você quer aquecer sua comunicação.

Quero saber sua opinião sobre isso, vá lá no meu instagram @thmartins e me envie um direct contando qual foi o insight que você teve ao ouvir este episódio. Vai ser um prazer saber o que você está pensando.

ACOMPANHE O POST EM VÍDEO:

Por hoje é só, te vejo no artigo. Tchau.

Deixe seu comentário:

Gostou deste artigo?

Faça parte da minha newsletter semanal e recebe minhas novidades em primeira mão

Você provavelmente vai gostar destes artigos também:

Quer começar ou dar ritmo para seu Instagram?

Conheça meu Manual do Instagram de Sucesso